segunda-feira, 19 de abril de 2010

Sobre como devemos nos amar...

Eu fico pensando: Porque eu ainda fico com você? O que você me dá de bom? O que você acrescenta a minha vida?
Penso, penso, penso e não consigo chegar em nenhuma conclusão.
Para você eu não sou prioridade, sou apenas uma opção. E entendo isso.
Nos momentos que eu mais precisei, você não estava comigo. Decididamente, eu não posso contar com você quando o assunto é sentimento, emoção.
Eu tenho que admitir que você até tenta. Quando eu fico muito chateada e te falo um monte, você tenta mudar, fazer alguma coisa para agradar. Mas passa rápido e nem sempre o seu esforço é o suficiente.
Será que é pelo sexo? Não. Até nisso você anda meio acomodado.
Então porque eu não consigo te deixar? Umas três vezes já disse que não queria mais nada, mas sempre acabo mudando de idéia.
A realidade é que eu sei sim. É a carência. Esse sentimento que faz a gente fazer coisas que não faria. Que faz aceitarmos situações que não aceitaríamos. Que acaba com a nossa autoestima.
Se eu não estivesse carente, nem teria me evolvido com você e muito menos teria essa dificuldade em te deixar.
A primeira vez, eu voltei atrás porque você deixou de me dar atenção e eu precisava das suas brincadeiras, das suas gracinhas. A segunda vez foi por causa das suas ligações, da sua proximidade e eu pensei: por que não? A terceira vez foi porque você chegou triste e eu fiquei comovida. Depois disso você foi fazer compra comigo e ficava me perguntando se "tinha acabado" mesmo. Mais uma vez, não resisti.
Mas eu não quero mais. Não mesmo. Você não me faz bem. Eu sei que preciso te deixar. Eu quero te deixar. Mas eu não consigo.
Por que a gente precisa tanto de alguém do nosso lado? Nos sentimos mais mulheres, mais bonitas, mais sensuais. E quem disse que só porque eu estou sozinha, não posso ser tudo isso e muito mais?
É preciso ter alguém me ligando para eu me sentir mais "de bem com a vida"?
Eu sei que não, mas ainda não consigo te deixar ir.

Contador de Visitas
Downloads
Vivendo e aprendendo a jogar....: Abril 2010